Personalidade esquiva, e um tanto negativista

Uoou, já faz algum tempo que eu não publico aqui, e de fato tenho sentido falta disso. A verdade é que tem sido tudo muito corrido nos últimos dias e mal tive tempo de escrever. Isso não significa que tenho cristalizado poucos pensamentos durante esse tempo ausente, na verdade, é bem o contrário disso. Diariamente tenho mantido a prática de construir bons pensamentos e a elaboração de novas ideias, mas tenho que dizer que escrever tudo isso aqui é um tanto mais útil, pelo menos pra mim. Sendo assim, decidi me empenhar mais neste blog e em consequência disso, a meta é escrever todos os dias. Espero de verdade manter esse ritmo a partir de hoje. 

O título deste escrito é referente à um link que uma colega da faculdade divulgou no grupo de WhatsApp da minha turma de Sistemas há umas semanas. "Achei interessante, galera", disse ela, "é possível analisar uns pontos fortes e fracos", concluiu, após enviar o link. Confesso que a falta de informações em sua fala sobre o conteúdo contido naquele endereço web, mexeu um pouco com a minha curiosidade. 

Ao acessar aquela URL, nos deparamos com um aviso do tipo pop-up, o que eleva a importância gritante daquelas informações. Dizia o seguinte:

Atenção, 
Este teste lida com o lado negativo da psicologia. Se você optar por preenchê-lo, pode receber uma descrição negativa da sua personalidade que pode lhe incomodar. Use por sua conta e risco.
Uau, isso não é demais? Este tipo marketing sempre funciona comigo, pois sempre acabo caindo nele. De fato, se você quer instigar alguém a fazer algo, pegá-lo pela curiosidade é sempre o melhor caminho. Dizer coisas do tipo "não clique aqui", ou, "não nos responsabilizamos por tal" é sempre um convite irrecusável. Aquilo se tratava de um teste de personalidade.

Um parêntese aqui
Tenho um enorme apresso pela psicologia. Curiosamente, na época do ensino médio eu estava decidido a cursar esta matéria na faculdade após ler alguns bons livros sobre. Me lembro perfeitamente do primeiro livro que li, se chama 'O Vendedor de Sonhos e a Revolução dos Anônimos', do Augusto Cury. Esse livro me trouxe bons ensinamentos sobre a vida  e seus valores. Um fato interessante sobre este livro, é que recentemente a magnífica história do maltrapilho foi retratada em filme. Não sou muito fã dessas versões cinematográficas dos livros, pois acaba tirando toda a magia. Mas tenho que dizer que essa é a exceção, para esta regra.

Mas, voltando para o teste.

Composto por 105 questões, novamente me deparo com um aviso explícito; Dessa vez falando sobre a importância de sermos sinceros quanto às respostas, para que o teste tenha um resultado eficaz - e, tenho que concordar: durante esses testes psicológicos, é normal que indivíduos funcionais sintam que vários itens se apliquem a eles, e incrivelmente essa é a parte mais desafiadora ao longo do processo. Basicamente, de forma resumida, a instrução é para clicar em "Concordo", quando isso de fato se aplicar como uma verdade pra mim, e em "Discordo", para resultados opostos. Let's work!

Sempre fui meio cético quanto esses testes psicológicos online pois eu desconheço o algoritmo utilizado para calcular o resultados. Mas devo admitir a fascinante experiência ao navegar dentre aquelas afirmações. Mas, por que? Simplesmente porque nos faz pensar sobre nós mesmos e como estamos agindo e pensando. Diariamente somos sufocados com nossa rotina, e mal temos tempo de refletir um pouco a respeito de coisas simples.

O resultado final
Por fim, somos apresentados à um painel do tipo 'grid' com vários possíveis resultados negativos e suas respectivas porcentagens. Falarei somente sobre os dois resultados que chegaram a 100%, que seria a personalidade esquiva e a negativista.

Como mencionei anteriormente, sempre fui meio cético quanto a essas questões de testes psicológicos online, sobretudo, este me chamou atenção por algumas razões, e uma delas já fora mencionada acima. Mas, além disso, eu confesso que não conhecia nada sobre essa personalidade esquiva, então me dei ao luxo de pesquisar um pouco mais sobre, e, uau... digo, em todas as fontes que li, me identifiquei sobremaneira.

De fato, o isolamento social é o marco mais notável na minha existência – mas, claro, não vejo isso como algo positivo, embora que em sua centralidade acaba sendo algo rotineiro. Esse transtorno, definido no começo do século XX pelos psiquiatras e eugenistas Bleuler e Kretschmer, não é muito conhecido. Não tão conhecido quanto, por exemplo, o transtorno obsessivo compulsivo ou o transtorno de personalidade dependente. Historiadores e especialistas afirmam que, nesse tipo de condição psiquiátrica, o exemplo mais claro que personaliza o transtorno de personalidade esquiva é a figura de Emily Dickinson. Ela escreve o seguinte:

Eu tenho medo das pessoas de poucas palavras, tenho medo das pessoas silenciosas e das pessoas que dão sermões. Eu tenho medo de quem não consigo entender, tenho medo da pessoa que pensa enquanto os outros não fazem mais que tagarelar…
Como o doutor Laurence Miller explica no seu livro “From Difficult to Disturbed”, a famosa poetisa foi se afastando progressivamente do mundo até se isolar no seu quarto. Muitos dos seus versos, como “a manhã não me quer, então boa noite, ó dia”, refletem essa reclusão à penumbra do seu micro-mundo frente ao desconforto que representava uma sociedade da qual não se sentia participante e na qual grande parte das suas relações afetivas lhe proporcionaram mais decepções do que alegrias.

●●●

Sobre a personalidade negativista, não tenho muito a argumentar. Mas, embora que o resultado do teste tenha dado 100% negativista, não sou totalmente adepto de todas as características. Falo isso baseado nas poucas buscas que fiz sobre o assunto. Na verdade, a única razão pela qual decidi mencionar esta personalidade nesse escrito, é baseado em terceiros. Tenho constantemente escutado pessoas afirmarem que eu tenho uma personalidade negativista, mas confesso que ainda estou na busca pelo conhecimento histórico e psiquiátrico do que definitivamente significa esse termo.

Se você, assim como eu, tem uma vivência semelhante com a personalidade esquiva, ou se você sabe uma definição exata para a negativista, eu adoraria ler sua posição nos comentários abaixo. O que tem funcionado pra você? Sinta-se livre para compartilhar seus pensamentos.

Algumas informações contidas neste escrito,
foram extraídas de A Mente É Maravilhosa.

Para acessar o teste mencionado no início
do post, clique aqui.